sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Sexualidade: vantagens, desvantagens, problemas e benefícios.

Eu não tenho postado com frequência, ando com preguiça de expressar o que sinto por meio de palavras, mas às vezes bate aquela saudade do pessoal dizendo "amei o post novo", quase sempre tem alguém dizendo "cara, vi teu blog hoje, não conhecia, mas amei". Obrigado a todos que me elogiam, criticam ou até mesmo aos que me chupam. Vocês me motivam, mesmo dizendo que o texto ficou uma merda, eu me motivo a escrever melhor ainda e esfregar na cara de quem disse que estava ruim. Filho da puta eu? Magina. Quem me segue sabe do que será o post, a questão da sexualidade. Eu posso ter 16 anos, o que é considerado pouco por alguns, mas sei bem o que quero, principalmente no quesito sexualidade. No Formspring ou no Twitter sempre tem alguém me perguntando como foi contar, como foi com os amigos, como foi se assumir pra mim mesmo, eu vou explicar tudo isso, o post ficará terrivelmente imenso, afinal isso não é tão fácil quanto parece, mas pode ajudar muito pseudo-hetero. Então, lá vamos nós.
Antigamente as diferenças eram menos respeitadas, claro, ainda não respeitam por completo quando alguém é "diferente", mas isso diminui cada vez mais, as pessoas estão aceitando mais. Mas mesmo depois de todo progresso, ainda existem pessoas que crucificam pessoas diferentes. Um cabelo colorido, um olho branco, um menino com outro menino, uma menina com outra menina, essas são coisas que os mais conservadores não suportam. Mas a maioria desses conservadores têm mais de 40 anos, só mais alguns anos e estarão extintos, deixando assim, os mais jovens, os que estão mais atualizados, mais abertos para novas coisas. E talvez, por culpa desses conservadores, muitas pessoas sofrem.
Eu tenho amigos próximos que sofrem por curtirem algo que não é comum, segundo a sociedade. Eu também tenho pessoas que desconheço, mas que me conhecem, que querem entender do que gostam, mas precisam de uma força, de alguém que tá um pouco mais acostumado com isso. A primeira coisa: psicóloga. Se tu tem problema em se resolver sexualmente, procura uma psicóloga, conta tudo pra ela, o segredo vai ficar entre vocês, ela não pode contar pra ninguém, faz parte do trabalho dela. Mas eu vou dizer algumas coisas, que talvez ajudem, mas lembrem que psicólogas são sempre melhores que um menino de 16 anos, a.
"Lucas, como que eu sei se sou gay/bi?" Acham essa pergunta estranha? Leio diariamente isso, já me acostumei. Eu sei a resposta, mas eu não posso todo dia responder, às vezes enche o saco, fico cansado das mesmas perguntas. Então aqui vai a resposta: Sente ou já sentiu atração por alguém do mesmo sexo quando estava sóbrio? Se sim tu não é hetero. Se tu ficou com alguém do mesmo sexo bêbado, mas nunca ficou enquanto sóbrio, não se considere bi ou homo, porque tu fez algo enquanto estava "fora de ti", não estava no teu normal.
"Lucas, eu sou gay/bi, meus pais não sabem, como faço pra contar?" Depende de família pra família. Uma psicóloga ajudaria nisso, afinal ela falara com os teus pais, preparia eles. Eu fiz isso sem uma, afinal conheço meus pais. A primeira coisa é contar pra pessoa mais aberta da família, a que tu tem mais contatos, aquela que tu conta mais coisas, no meu caso, minha mãe. Depois disso, pedir ajuda dessa pessoa pra ir contando pras outras, com o tempo tu mesmo vai contando e vai se acostumando. Comigo começou pela mãe, que contou pras irmãs, e depois pro pai.
"Qual foi a reação dos teus pais?" A reação nunca vai ser 100%, não espere que eles digam "que orgulho, tu é gay, te amo muito, detestaria se tu fosse hetero", jamais isso vai acontecer. Pais acham que pessoas diferentes são rejeitadas, por isso querem seus filhos iguais aos outros, sem diferenças, pra eles não sofrerem. A maioria dos pais diz "Vou te amar do jeito que tu é", alguns dizem "Vou te ajudar a curar a tua doença", tudo bem chamarem de doença, alguns podem ser muito velhos e acharem isso uma doença, mas com o tempo aprendem. Minha mãe ficou calma, falou que preferia que eu fosse hetero, o que quase todo pai diz, mas ela falou que me aceita na boa. O pai é sempre o que tem mais dificuldade, porque imagina ele na roda de amigos e um deles fala "e aquele teu filho veado", nenhum hetero gosta de ter a sexualidade ofendida, porque acham ridículo, mas ridículo é ter vergonha de mostrar quem tu é. O meu detesta o fato de eu ser gay, sempre que alguém toca no assunto, ele muda, quando ele ficou sabendo, queria me curar, não sei do que, mas queria, não é por isso que ele me detesta, pelo contrário, sei que ele gosta de mim, mas ele acha que o melhor pra mim é heterossexualidade, que é o que Deus quer, a. Então, a fucking reação depende de família pra família.
"Porque contar?" Cada um tem um motivo pra contar, tu pode esconder isso pra sempre, é possível, se tu for muito esperto claro. Se eu quisesse, ainda seria segredo, mas eu não quis esconder, quis contar pra todo mundo, não só pros pais, mas pros amigos. É sempre melhor contar, a relação fica melhor, de primeira vai ficar uma merda, mas com o tempo volta ao normal e fica melhor do que era.
"E os amigos, como reagiram? Não teve exclusão no círculo social?" Pra falar a verdade comigo aconteceu o contráro. Eu sempre estudei na mesma escola, desde a primeira série, faço o terceiro ano agora. Conheço todos, todos me conhecem há muito tempo. Nunca tinha comentado com ninguém, deixava isso quieto, porque tinha medo de ser apedrejado, afinal eu sou "diferente", me preocupava muito com o que os outros pensavam, queria agradar a todos, mas não agradava a mim mesmo. Eu consegui falar em uma aula de geografia, estavamos falando com a professora, que falou que morou com três amigos gays e foi o melhor tempo da vida dela e eu disse "sou gay", ninguém ficou surpreso, pelo contrário, converso com todos, é uma pessoa em cada 364684688438488 pessoas que não gosta de mim por eu ser gay, ou seja, estão em minoria. Amigos vão te apoiar se são teus amigos, vão te rejeitar se forem otários e vão te discriminar se quiserem chamar tua atenção.
"Tu sofre muito preconceito. Se sim, como consegue aguentar?" A primeira coisa pra assumir a sexualidade  é: não dar a mínima. Na verdade ninguém deveria dar a mínima pra o que as pessoas falam de ti. Cada um tem sua própria vida, faz o seu próprio futuro, comete seus próprios erros e garanto que quando tu fizer algo legal, aquela pessoa que te critíca vai fazer de tudo pra te ver pra baixo, mas não dê a mínima, pessoas que querem te botar pra baixo, só te botam pra baixo pra esconder os próprios defeitos e porque só sabem fazer isso, se forem ignoradas, não terão utilidade, serão só pessoas inúteis que vagam, a. Sim, eu sofro preconceito, como disse antes, é pouco, quase nada. Normalmente quando alguém expressa seu preconceito dizendo que me odeiam por ser gay, me chamando de veadinho, eu concordo e ainda mando beijos, isso deixa a pessoa sem resposta, porque tudo que ela disser pra ti, tu vai concordar e o que ela quer é briga, não que tu concorde. E como disse, não dou a mínima pras críticas, por isso aguento o pouco preconceito que sofro. Pessoas são pessoas, estão sujeitas a erros, esse preconceito que ela expressa é um erro, que no futuro ela vai perceber o quanto era idiota, talvez irá se corrigir.
"A igreja diz que ser gay/bi é errado, devo ir contra ela?" Quem diz é a igreja, nem sempre ela terá a razão, melhor, ela nunca terá a merda da razão. Deus é uma coisa, igreja é outra.
"Foi difícil se aceitar?" Sim, é difícil. Eu comecei com isso aos 8/9 anos, comecei a sentir atração por outros meninos, mas nunca contava pra ninguém, não queria aceitar que era diferente, tu demora um pouco pra se acostumar contigo mesmo, mas depois que começam a passar os anos, tu vê que é aquilo mesmo que tu quer, que não pode fingir que é algo quando não é, se tu realmente gosta daquilo, assume pra ti mesmo que gosta, esse é o primeiro passo. Talvez o mais demorado.
Essas perguntas foram todas feitas no meu Formspring, eu respondia algumas, mas vinham muitas repetidas, então resolvi parar de responder e fazer o post. 
Resumindo tudo isso: Tu não pode fingir ser algo que tu não é, tu não pode fingir ser uma arvóre, quando tu é uma pessoa, pode? Não. Tu não pode fingir ser hetero, quando não é. Um dia tu vai ter que contar, talvez te ferre muito quando contar pra todos, mas quem não se ferrar na vida? Todos se ferram, independente de cor, sexo ou forma, a. Imaginem se Sérgio, do BBB 10, tivesse escondido, não teriamos o Sérginho do Pânico na Tv, o famoso "tá ouvindo? Lady GaGa". Se Jeffree Star tivesse ficado parado, não teriamos a rainha do Myspace de cabelo rosa. Se Dahvie Vanity tivesse ficado na dele, não teriamos Blood on the dance floor e suas frases terrivelmente humilhantes. O que será que o power Ranger Azul e o Ricky Martin não perderam? Demoraram tanto pra se assumir, podem ter perdido muitas coisas, não digo sexo, mas talvez conhecer pessoas legais, amigos mais confiáveis. Imaginem se eu não tivesse me assumido? Quem escreveria esse post? Quem faria piadas com justin Bieber? Quem alegria a home de vocês no Twitter? Quem faria aquelas coisas na Twicam do Surita? Ninguém. Não tenham medo de se expressar, sair com os amigos só porque eles são gays, não deixe de sair com gays só porque tu é hetero, se te chamarem de gay e tu não for, simplesmente ignore, nem sempre a opinião dos outros é a verdade. Lembra que se tu deixar de fazer algo, tu pode perder algo incrível. Imaginem se os pais de Hayley não tivessem transado naquele certo dia que fizeram a Hayley? Paramore não existiria, nem seus paralovers. Esqueçam os riscos, aproveitem as chances, mesmo que elas não existam. E lembrem: nem todo gay só pensa em sexo.

Bjs do Tio DOT <3456789.


Ps.: Não revisei o post, talvez tenha consumido com alguma fucking letra.

9 comentários:

  1. E mais uma vez eu digo: tu arrasa Luscaaa!
    Com 16 anos tem mais maturidade que muitos adultos por aí.
    A-DO-REI.

    beeeijo :*

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns mesmo. Nem parece aquele Tio Dot que twitta "me chupa", hoho. Vale mto apena ler, mesmo se você não tem nenhuma "tendencia" a ser gay..

    ResponderExcluir
  4. Vc é umas das pessoas que me chamam atençao!Pessoas diferentes é o que fazem esse mundo.O Lu$ca nao teve medo de dizer quem ele realmente é.

    ResponderExcluir
  5. Omg foi o post que eu mais gostei, na minha opinião essas pessoas que falam que isso é uma doença são meio que umas tolas, no dia de hoje isso é praticamente normal, as pessoas ja deveriam estar acostumadas com isso e aceitar numa boa, pois o filho/filha vai continuar sendo filho/filha, então os pais tem é que apoiar os filhos, mesmo que isso não seja o que eles queriam, achei muito interessante a história do Dot (:

    ResponderExcluir
  6. Causou , só isso . Gente eu nem conhecia você . Cara adorei . ♥

    ResponderExcluir
  7. Mega foda esse post, cara. Descobri esse blog assim que também descobri que te seguia rs
    Tipo, eu não sou gay nem nada, mas acho muito lindo quando um gay/bi/lésbica/hétero tem consciência de que ter preconceito com algo tão comum como a diversidade da sexualidade é apenas perda de tempo e que temos que aceitar os outros, e em alguns casos, nós mesmos, right?
    Tu és fodástico, Lucas.

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails